quarta-feira, 3 de abril de 2013

E o parto?

Ora aqui está um assunto um tanto ou quanto delicado...

Ponto 1 - A via do Parto.

Durante o meu curso devo ter ficado tão pouco traumatizada com o que vi que estava completamente convicta que nunca na vida teria um parto eutócico. Mas nunca mesmo! Devo ter tido muito azar com as senhoras que acompanhei, porque aquilo nunca corria bem.. Ou elas não puxavam e só me apetecia ir abaná-las a ver se acordavam e faziam o que lhes era mandado ou puxavam puxavam, mas acabavam por ter que ir para cesariana de urgência! Não me lembro de ter visto um único que não tivesse complicações, isto porque se não acontecesse uma das situações anteriores, eram necessários os instrumentos - a ventosa (e logo no primeiro parto que assisti foi preciso uma ventosa) ou os fórceps... Um paraíso como se pode calcular... Daí que sempre que alguma amiga me perguntava qual a minha opinião sobre o assunto, ou era sincera ao máximo e dizia que achava melhor a cesariana, ou dizia que era melhor não responder (caso a amiga em questão estivesse grávida, porque era a minha experiência e valia o que valia, não ia deixar alguém neste período tão susceptível cheia de medo e influenciada por estas minhas vivências).
Entretanto correu o ano comum e eu na mesma... 
Mas quando, durante a especialidade, estava no estágio da saúde da mulher, nunca houve complicações - e eu vi muuuuuuuitos! - corria tudo bem e eu apercebi-me que os pós partos eram muito melhores quando se tratava de um parto eutócico. As senhoras ficavam logo prontas para tomar conta do bebé e fazer a sua higiene. O conhecimento de ambas as situações também já era outro, muito mais aprofundado e eu mudei radicalmente de opinião - só queria ter um parto normal quando fosse a minha vez (e como sou "pouco" emotiva -ou não!!-, acabava sempre a chorar de tão bonito que era o momento!). Ambos podem ter complicações. A cesariana é sempre uma cirurgia de "barriga aberta", além de que o útero pode não responder tão bem após a saída da placenta. O parto eutócico é o "natural", como manda a natureza, é certo, mas quase sempre é preciso a episiotomia (que pode lacerar mais tecidos que o suposto) e pode sempre surgir, por exemplo, a incontinência urinária.
O que é certo é que saí de lá a pensar que o mais certo e que eu escolheria se pudesse era o parto eutócico.

Quando há umas semanas atrás a minha obstetra me perguntou qual era a minha preferência, só me saiu "o que for melhor para ele!". O meu raciocínio inconsciente, mas certamente certo (a meu ver, pelo menos!), foi só pensar que a única escolha ideal seria escolher o que fosse melhor, por isso, deixava nas mãos dela, em quem confio completamente. E aí ela só disse "óptimo, porque, então, vamos ver a tua bacia, e depois com a estimativa do peso dele e das restantes condições necessárias, decidimos". E eu vim embora toda contente, porque no fundo "passei a batata quente" ;) - sim, porque posso ser médica, mas quando se está do lado de cá o caso muda completamente de figura. Se gostava que fosse natural? Gostava! Mas e se ele for grande demais para mim? ou se eu na altura não souber puxar, como tantas daquelas senhoras? Só não quero que o meu pequenote esteja ali apertadinho à espera só porque a mãe disse que queria muito que fosse normal e depois não o sabe pôr cá fora! Por isso, não há previsões, por agora (quem sabe para a semana, quando eu for à consulta e conversarmos sobre o resultado da eco de ontem).

Ponto 2 - Quem vai assistir?
Ainda ontem me perguntavam se o I ia assistir. Isso nunca foi questão para ele, está ansioso!!! =), mas claro que fica ali, ao meu ladinho e ai dele se espreita!!! O que vale é que sei que ele não espreitava nem morto :D É facilmente impressionável e só quer estar presente naquele momento, porque sei que quer estar ao meu lado e porque quer ser o primeirinho (comigo, como é óbvio!!) a ver (e a pegar) o pequenito =) E eu estou ansiosa para ver a cara dele - não estou a falar do filho, porque isso é óbvio!, mas do pai, mesmo =) Durante a gravidez assisti a momentos completamente maravilhosos. Eu já sabia que ele era assim (sou apaixonada por ele e casei, e uma das razões foi porque conheço este lado dele ;) ), mas só durante a gravidez é que aprofundei esta forma dele de ser. Tantas vezes, depois de horas à espera de uma consulta ou de uma ecografia, em que ele estava desesperado de esperar (e chateado até!), mal via o bebé no monitor, os olhos brilhavam e ele ria sozinho! Tantas vezes (ainda ontem) soltou um "Ahh!!!" com um sorriso espetado! =) Por isso, estou meeesmo ansiosa para ver a cara dele a olhar para o Filho =) Vai ser qualquer coisa!! 
Outra pessoa que se calhar vai assistir é a minha irmã =), a madrinha do I pequenino... =) Mas ainda não me disse nada em concreto... Vamos ver! A nossa ligação é muito forte e acho que ela tem medo de desesperar só de saber que não sou uma parturiente qualquer naquela cama, mas a maninha do coração... Mas vou aguardar ;)

Ponto 3 - Quando?? 
As 40 semanas são a 13 de Maio. A data é muito bonita, é!, sem dúvida!, mas eu queria que ele nascesse a 13 de Maio? Claro que não! Eu só quero que ele não seja prematuro para poder nascer e vir embora comigo! Ou seja, daqui a 3 semanas, já não sendo, venha ele! =)=) Ainda ontem me disseram que a tal "mudança da lua" é daqui a 4 semanas - quem sabe? ;) E eu sendo médica acredito em mudanças de lua??? Uma coisa é perceber como é que a mudança de lua pode influenciar os nascimentos, e isso, realmente, não percebo. Outra coisa é ter noção que influencia. E, pelo que vi, pelo menos durante os estágios, influenciava mesmo! Disso não há dúvidas! Por isso... Who Knows? =)=)=)=)


Acompanhe o Aventuras a 4 no Facebook aqui!

2 comentários:

Helena Cabral disse...

Eu também disse o mesmo, queria o melhor para ele e não queria ser ele a escolher. A obstetra ficou toda contente e estive em trabalho de parto 16 horas, fiz a dilatação completa mas depois o Henrique não terminou a rotação nem por nada e tive de passar para cesariana passado um pedaço, felizmente sem ele chegar a sofrimento, a obstetra nisso esteve sempre em cima do acontecimento. O J. esteve sempre comigo e os meus pais tb durante o trabalho de parto (mãe mesmo dentro do quarto, pai lá por perto ihihi), só quando desci para a sala de partos é que ficou só o J. comigo e na cesariana tb, foi espectacular.
Está quase, quase... aproveita bem o I. pequenino aí dentro, depois dá umas saudades!!! :) *********

CP disse...

Pois, Lenita! Pensamos igual! Confio plenamente na minha obstetra e, espero que não!, mas se for necessário, que seja como foi contigo! =)
Estou a tentar aproveitá-lo o mais que posso =) E acredita que, só de pensar que vou passar a ficar "sozinha", já me dá saudades! =)

Enviar um comentário